Archive for the 'Edições' Category

29
Out
07

Skypho – Nowhere Neverland

Edição de Autor/2007

7/10

Os Skypho tiveram inicio no final de 1999, fortemente influenciados pelo som que marcou a década de 90, o grunge. A banda nasceu sobre o estigma de bandas como Pearl Jam e Alice in Chains.

Com o avançar da carreira, a entrada e saida de elementos o som da banda foi sofrendo mutações, mas sem nunca perder as raizes. Ao som de Seatle, os Skypho acrescentaram à sua música elementos de metal alternativo, screamo, tribal, algum thrash-core e até reggae.

Como pode imaginar o leitor não será facil reunir estes generos todos e conseguir um som com uma identidade própria. Ai reside o principal óbice deste trabalho dos Skypho.

“Nowhere Neverland” não é um mau registo discográfico, pelo contrario, a musica da banda é agradavel, existe qualidade nos músicos, mas falta ainda algum trabalho e rodagem de modo a banda conseguir uma sonoridade mais equilibrada e com a tal identidade já referida. Falar de Skypho é falar de uma banda com boa margem de progressão.

Destaco pela positiva os temas “My Last Words” e “My Insommia”. Outro factor positivo é a excelente voz de Carlos Tavares.

30
Ago
07

PitNoise – PitNoise

Edição de Autor / 2007

7/10

PitNoise. Formada em 2006 esta banda é para já uma das revelações deste ano na area do Rock.

A banda editou, por conta própria, este EP composto por 5 temas, auto-intitulado.

Temas esses interpretados em Português e Inglês pelas vozes de Christiane e Johny. E é nesse esse binómio de vozes masculina/feminina que assenta a música dos PitNoise, assumindo maior relevo a voz masculina, servindo a feminina de complemento.

A música dos Pitnoise vai do acessível Pop/Rock até ao Rock mais pesado, quase Hard-Rock.

O som da banda é sempre muito easy-listening. Apresentando ora uma textura melódica, ora mais atrevida. Conseguindo com alguns riffs bem elaborados atingir contornos mais pesados. E parece-me que é nesta segunda faceta que a banda se exprime melhor.

Os PitNoise têm neste Ep um bom ponto de partida. Haverá algum trabalho de casa ainda por realizar, nomeadamente no facto de ao som banda ainda faltar algum ponto de equilíbrio entre as vertentes melódicas/pesadas.

O talento está lá, a musicalidade nos seus temas idem. Agora com trabalho, humildade e experiência os PitNoise podem seguir o seu sonho de conseguir lugar de honra na montra da musica nacional.

07
Ago
07

Men Eater – Hellstone

men_eater-hellstone.jpg

Raging Planet / 2007

9,5/10

O Metal em Portugal vai dando mostras de uma boa vitalidade ao contrário do que muitas vozes apregoam.

E se vão surgindo projectos que surgem como óptimas surpresas, outros afirmam-se como grandes certezas. Do segundo lote fazem parte os Men Eater.

Editado pela Raging Planet, este trabalho foi gravado nos Estúdios BlackSheep, contando com a produção de Makoto Yagiu e com mistura (Chris Common) e masterização (Ed Brooks, conhecido pelo seu trabalho com bandas como: isis, R.E.M e Pearl Jam) nos Estados Unidos, ou não fosse o som da banda influênciado fortemente pelo som americano.

Raiva, angustia, brutalidade, melancolia em doses maciças é o que nos oferecem os Men Eater com este debut “Hellstone”.

O som dos Men Eater vagueia pelo Stonner/Sludge metal com alguns pinceladas de doom e hardcore que não são alheios aos generos atrás referidos.

A musica dos Men Eater consegue nos cativar do primeiro ao ultimo instante, até ficarmos sem respiração.

Destacar temas desta obra não é tarefa fácil, pois todos eles são de grande qualidade, mas há um que merece ser referido: “Lisboa”, unico tema cantado em português que nos envolve com uma beleza cativante.

Grande trabalho de grandes músicos. Quer como brilhantes compositores, ora como executantes de primeira água.

Uma banda para vencer além fronteiras.

Depois de se ouvir “Hellstone” existem razões para se afirmar “levo o peito cheio de ti”.

Obrigatorio

01
Ago
07

Evoked Curse – Merciless Revenge

 evoked-curse-merciless-revenge.jpg

Demo – Tape 

Hell War Productions – 2006

8/10

 Os Evoked Curse são uma banda Finlandesa com nascimento em 1989, mas cujo primeiro registo ,”Outburst Of Hell”, foi lançado apenas dez anos depois.

Liderados pelo vocalista Orgasmatron (Evil Angel, Witchtiger) a banda desde sempre assumiu uma sonoridade Heavy/Thrash/Black “Old School”. E de facto nota-se em “Merciless Revenge” uma forte influência do Thrash germanico (especialmente Destruction), com uma componente lirica própria das bandas de Black-Metal: morte, mal, satã, inferno e por ai fora.

Os temas são todos eles bastante bem conseguidos misturando alguma raiva tipica do Thrash-Metal, com alguma melodia. Não sendo tarefa facil destacar algum tema, atrevo-me no entanto a mencionar aqueles temas que ainda tenho a fervilhar na mente: “Morbid Outrage” e “Whiplashing Metal”, este ultimo a fazer-me lembrar tempos em que no Heavy-Metal havia uma certa agressevidade ingénua.

Uma boa colheita da Hell War Productions.

28
Jul
07

HWP026 Odium Perpetuum + D.O.R – United in Hate & Pain

odium_dor_tape_final_02.jpg

Split Tape

Hell War Prod – 2006

8,5/10

Antes demais, o titulo deste Split-Tape é um tiro na mouche, os cinco temas (destacar algum seria injusto) destilam sensações de ódio, agonia e dor. Ouvir estes temas é uma autentica viagem pelos sentimentos mais negros e mórbidos.

E há que dar parabéns aos dois projectos por nos brindarem com este éter musical magnifico: Odium Perpetuum, projecto de Morbid Dead e D.O.R., projecto de Mortiferus em que ambos tomam conta de todo o processo de composição e execução instrumental.

Tecnicamente ambos projectos cumprem sem deslumbrar, até porque a essência do Black-Metal está no sentimento.

Os interessados em adquirir esta obra devem contactar a Hell War Productions.

23
Maio
07

Thee Orakle – Secret

secretfront.jpg

Ep

Edição de Autor – 2007

8,5/10

Os Thee Orakle são um conjunto oriundo de Vila Real, formado em 2004. A banda contudo atinge a formação de sete elementos em 2005, ano em grava a sua demo composta por 5 temas.

Desses temas, três transitam para este Ep “Secret”, sofrendo eles uma reciclagem. Temos que “Secret”, gravado nos Fast Foward Studios com a produção de Daniel Cardoso resulta em cerca de 40 minutos (quase um álbum) de excelente metal, melodioso e cativante.

Começando na muito bem conseguida Intro “At The Gates of orakle” e culminando de forma majestosa com “Sea of Life”, isto sem contar com o Bónus Track.

O contraste das vozes de Pedrão e Mika funcionam muito bem, apesar de não ser propriamente original, se bem que a voz da Mika resulte melhor do que outras vozes femininas de outros projectos similares.

A classificar o som da banda em termos de géneros musicais, diria que se trata de uma mescla de Metal Gótico com Death Metal.

Degrau a degrau os Thee Orakle vão conseguindo importante relevo no nosso underground.

22
Fev
07

Painted Black – Verbo

verbo.jpg

Ep

Edição de Autor – 2007

9/10

Depois da magnifica surpresa que foi ‘The Neverlight’ aguardava com elevadas expectativas a chegada de um segundo trabalho dos Painted Black. E devo dizer ‘Verbo’ (também em formato EP) não me defraudou essas expectativas.

O EP demonstra uma banda mais madura, todo o trabalho é mais cuidado, tal não será alheio o facto de a banda ter dicidido remasterizar o trabalho nos Rec’n’roll Studios pelo Luis Barros. O som mantem a sua textura Doom/Death/Ambience embora com uma agressividade maior que na estreia. A banda tem estilo muito próprio embora se note algumas influências de My Dying Bride e Anathema.

O trabalho inicia com o melancolico ‘The Desolate Pleading’ , segue com um Doom/Death (NightShift) muito bem gizado que culmina com o solo de Mark Kelson (InSomnius Dei/The Eternal). De seguida temos um tema (‘Expire’) calmo, melódico, cujo destaque vai para o violino de Susana Ribeiro. Em ‘The Sin Path’ nota-se um som muito Doom/Gothic com traços de uns Paradise Lost. O Ep termina com o trabalho mais agressivo alguma vez editado pela banda, ‘Your Heart in Ashes’ é tema cheio de força e energia em que destaca os continuos grunhidos de Daniel.

Em jeito de conclusão, pode-se dizer que com ‘Verbo’, os Painted Black dão mais um passo seguro na sua afirmação. Resta esperar que consigam um contrato com uma editora que lhes possa garantir as condições necessarias para a edição de um álbum.